15 de fevereiro de 2010

Não tenho dó! O conto do trenó

Não tenho dó.
Muitas vezes já me perguntei se algum dia vou ser uma boa mãe. E meu trabalho atualmente é um intensivão de maternidade. A maioria das famílias que conheci não tem plano ou regras para criar suas criancas. O pai tem um metodo; a mãe, outro. Aqueles que já assistiram alguma vez o programa " Super Nanny" sabem que iso não funciona... a difusão confusa de sinais vinda dos pais só bagunca a cabeca da crianca, que não irá responder a nenhum dos dois, estressando-os.

E uma au pair na maioria das vezes entra de cabeca numa situacao como essa, criancas já acostumadas a nao ter regras e confrontadas com mais sinais vindo de uma estranha que fala uma lingua totalmente diferente. Se os pais não tem regras fixas e estabilidade, quem é a au pair para tentar introduzí-las na família???

já experienciei de tudo com meus tres holandezinhos. e muitas vezes lembro das regras que tinham ( ou a falta de) na minha família, e penso como fui ser assim tão dura e firme? É até fácil demais mimar uma crianca, é só olhar para aquela carinha de choro, ou aquele pedido gostoso bonitinho que ela faz quando quer algo... voce cede e pronto.
Bom, como voces já imaginam, aqui vem um relato...

Este fim de semana nevou quase que o tempo todo, mas uma nevezinha fina... que mal parava no chão. Toda vez que há bastante neve nas calcadas, quando busco as criancas na escola , levo o trenó comigo e eles voltam sentados comigo puxando. Aqui, eles são tremendamente preguicosos, e são forcados a andar comigo da escola pra casa todos os dias. E todos os dias o Morris vai comigo buscar as meninas já que ele sai bem mais cedo da creche. Hoje, na hora de sairmos ele olhou pela janela feliz e pediu para que fossemos de trenó.
Caminhei até a frente da casa, olhei a calcada a nossa frente e disse a ele que não tinha neve o suficiente e que eu não ía carregar o trenó nas costas o caminho todo. Ele comecou a chorar, dizendo que não queria andar, que queria ir de trenó e não me escutava de jeito nenhum.

Abaixei calmamente e olhando pra ele nos olhos: " Ok, vamos fazer o seguinte. Eu não vou carregar o trenó, estou te dizendo que não tem neve o bastante pra usá-lo, entenda bem, se voce quer o trenó voce vai carregar onde nao tem neve. Se acharmos neve no caminho, voce pode sentar que eu te levo... mas só enquanto há neve!" Ele mal parou pra pensar no acordo e foi logo aceitando... afinal o trenó ía conosco. A primeira quadra tinha neve, e ele foi sentado feliz, vento no rosto, e fomos conversando normalmente. Então... a segunda, a terceira, a quarta... nada de neve... e Morris arrastando e puxando o trenó com todas suas forcas em direcao a escola.
Logicamente, eu estava ali para assistencia-lo e pegar o trenó na hora de atravessar a rua... ou quando estava muito pesado, eu segurava uma ponta e dizia que ía somente ajudá-lo, mas que a responsabilidade de levar o trenó era dele! Ele tinha feito uma decisão e tinha que entender suas consequencias!!!

Imaginem... ele tem só 3 anos! Mas acreditem ou não que ele não brigou comigo em momento nenhum, nem quando ficou bravo com o peso do trenó. A maior parte do caminho, ele puxou o trenó alegre, mesmo nas dificuldades, e íamos conversando. Se entravamos no assunto que o fazia levar o trenó sozinho, ele dizia que tinha escolhido o trenó!
Sinceramente, achei que não nos depararíamos com nenhuma neve no caminho, mas havia um pouco e ele pode se sentar no trenó e ser puxado.

A volta também parecia estar sendo divertida para ele. A irmã se portava como seus pais, aborrecida com a demora para retornar a casa, ela se oferecia a carregar o trenó por ele, se ele carregasse sua mochila ( que eu também não carrego! eles sabem que o que escolhem levar pra escola é responsabilidade deles, pq eles nao necessitam de mais nada a nao ser do lanche). No comeco ela ajudou e eu fiquei só de olho... até que ela queria tomar as redeas e eu disse que não. Ainda aborrecida, ela caminhou na frente brincando, cantando e nos esquecendo atrás.

Durante o caminho alguns adultos que cruzaram conosco me olhavam estranhando o comportamento. Alguns até me repreendiam com o olhar... mas eu apenas sorria de volta. e por essa atitude, a vergonha de ser mais firme com seus filhos que os fazem as vezes nem suportar estar perto de suas criancas. Gritam , esperneiam, batem o pé e voce se pergunta o que você está fazendo de errado e o que fez pra merecer isso... sem parar pra pensar que foi VC mesmo que os criou assim.

Tive vergonha sim, de estar andando feliz ao lado do Morris puxando o trenó. Ele fazendo esforco e eu me contendo a ajudá-lo nas horas dificeis, sem tirar dele a responsabilidade do combinado. Muitas vezes já me perguntei como consigo ser tão fria... tão dura! Mas não me sentia fria, aliás, acabamos nos dando ainda melhor depois dessas politicas meio reversas que eu adoto aqui. Ele é carinhoso e demonstra que me ama o tempo todo. inclusive durante o caminho de hoje.

Com as meninas é mais dificil, elas são mais velhas, e passam menos tempo comigo, minha influencia não dura muito. Com o Morris o ensinamento é mais efetivo, comigo ele sabe os limites e poucas vezes me dá trabalho. Agora pense se no dia seguinte, ele não foi todo feliz conferir se tinha neve suficiente nas calçadas para ver se dava para levar o trenó: "Naná, hoje não tem neve na rua pra levar o trenó".

O que vocês acham? Sou dura? Sem sentimentos? Vocês conseguem ser firmes também, com seus filhos ou com as criancas de que voce cuida? Já passaram alguma situacao de vergonha justamente por estarem tentando dar uma educacao certa pro seu filho???

Beijão!!! Espero as respostas de voces :D
[Continue reading...]

13 de fevereiro de 2010

Fim de semana em Den Haag


Hoje vou postar algumas fotos... preparei uns posts para o futuro, mas estas fotos estão a bastante tempo pedindo para serem compartilhadas com todos voces.
Espero que curtam. Há uns dois fins de semana atrás, fui com minha amiga da Africa do Sul, Lindie, ao centro de Den Haag. estava um dia muito bonito para passear tirar fotos e fazer umas comprinhas. ambas estavamos sem dinheiro, mas olhar as vitrines não machuca ninguém!!!

Conheci a Lindie em janeiro,após ter buscado o Morris na creche e quando estavamos a caminho da Bloemcampschool para buscar as meninas. Já tinhamos nos visto algumas vezes, mas nunca haviamos conversado e naquele dia ficamos ambas surpresas uma ao descobrir que a outra também é au pair. " Achei que voce era holandesa..."

Desde então nos encontramos na escola algumas vezes e saímos para tomar um café uma ou duas vezes por semana. ( nem que o café seja oferecido dentro de casa!!!) e bom ter uma companhia que mora pertinho.

E Den Haag é mesmo uma cidade linda, conseguimos pegar um tempo bom naquele fim de semana... não estava tão frio e o solzinho dava um ar tipicamente turistico à paisagem.







Aproveitando que a neve voltou, que o frio resiste em nos deixar, estou postando umas fotos de janeiro, quando eu estava tentando ensinar a Luna a andar de patins de gelo... e nem eu mesma sei, mas foi divertido e eu pude sentir o progresso dela pela forca com a qual ela se apoiava nas minhas maos, no comeco era tanta forca que chegava a me doer... depois aos poucos ela vai tomando coragem, tentando sozinha.
Também fiz filminhos do Morris patinando sozinho, levando cada tombo!!! Colocarei na proxima, se nao ngm le esse post ate o fim!

Em janeiro fez tanto frio, que os lagos e rios congelaram, então nosso vizinho teve a ideia de encher o qui9ntal de agua, demarcada por madeiras formando um retangulo e em poucas horas tinhamos um rinque de patinacao para as criancas!!! Funcionou direitinho!!!




Olha o Morris de pano de fundo...
[Continue reading...]
Designed By Yasmin Mello | 365 dias