15 de fevereiro de 2010

Não tenho dó! O conto do trenó

Share it Please
Não tenho dó.
Muitas vezes já me perguntei se algum dia vou ser uma boa mãe. E meu trabalho atualmente é um intensivão de maternidade. A maioria das famílias que conheci não tem plano ou regras para criar suas criancas. O pai tem um metodo; a mãe, outro. Aqueles que já assistiram alguma vez o programa " Super Nanny" sabem que iso não funciona... a difusão confusa de sinais vinda dos pais só bagunca a cabeca da crianca, que não irá responder a nenhum dos dois, estressando-os.

E uma au pair na maioria das vezes entra de cabeca numa situacao como essa, criancas já acostumadas a nao ter regras e confrontadas com mais sinais vindo de uma estranha que fala uma lingua totalmente diferente. Se os pais não tem regras fixas e estabilidade, quem é a au pair para tentar introduzí-las na família???

já experienciei de tudo com meus tres holandezinhos. e muitas vezes lembro das regras que tinham ( ou a falta de) na minha família, e penso como fui ser assim tão dura e firme? É até fácil demais mimar uma crianca, é só olhar para aquela carinha de choro, ou aquele pedido gostoso bonitinho que ela faz quando quer algo... voce cede e pronto.
Bom, como voces já imaginam, aqui vem um relato...

Este fim de semana nevou quase que o tempo todo, mas uma nevezinha fina... que mal parava no chão. Toda vez que há bastante neve nas calcadas, quando busco as criancas na escola , levo o trenó comigo e eles voltam sentados comigo puxando. Aqui, eles são tremendamente preguicosos, e são forcados a andar comigo da escola pra casa todos os dias. E todos os dias o Morris vai comigo buscar as meninas já que ele sai bem mais cedo da creche. Hoje, na hora de sairmos ele olhou pela janela feliz e pediu para que fossemos de trenó.
Caminhei até a frente da casa, olhei a calcada a nossa frente e disse a ele que não tinha neve o suficiente e que eu não ía carregar o trenó nas costas o caminho todo. Ele comecou a chorar, dizendo que não queria andar, que queria ir de trenó e não me escutava de jeito nenhum.

Abaixei calmamente e olhando pra ele nos olhos: " Ok, vamos fazer o seguinte. Eu não vou carregar o trenó, estou te dizendo que não tem neve o bastante pra usá-lo, entenda bem, se voce quer o trenó voce vai carregar onde nao tem neve. Se acharmos neve no caminho, voce pode sentar que eu te levo... mas só enquanto há neve!" Ele mal parou pra pensar no acordo e foi logo aceitando... afinal o trenó ía conosco. A primeira quadra tinha neve, e ele foi sentado feliz, vento no rosto, e fomos conversando normalmente. Então... a segunda, a terceira, a quarta... nada de neve... e Morris arrastando e puxando o trenó com todas suas forcas em direcao a escola.
Logicamente, eu estava ali para assistencia-lo e pegar o trenó na hora de atravessar a rua... ou quando estava muito pesado, eu segurava uma ponta e dizia que ía somente ajudá-lo, mas que a responsabilidade de levar o trenó era dele! Ele tinha feito uma decisão e tinha que entender suas consequencias!!!

Imaginem... ele tem só 3 anos! Mas acreditem ou não que ele não brigou comigo em momento nenhum, nem quando ficou bravo com o peso do trenó. A maior parte do caminho, ele puxou o trenó alegre, mesmo nas dificuldades, e íamos conversando. Se entravamos no assunto que o fazia levar o trenó sozinho, ele dizia que tinha escolhido o trenó!
Sinceramente, achei que não nos depararíamos com nenhuma neve no caminho, mas havia um pouco e ele pode se sentar no trenó e ser puxado.

A volta também parecia estar sendo divertida para ele. A irmã se portava como seus pais, aborrecida com a demora para retornar a casa, ela se oferecia a carregar o trenó por ele, se ele carregasse sua mochila ( que eu também não carrego! eles sabem que o que escolhem levar pra escola é responsabilidade deles, pq eles nao necessitam de mais nada a nao ser do lanche). No comeco ela ajudou e eu fiquei só de olho... até que ela queria tomar as redeas e eu disse que não. Ainda aborrecida, ela caminhou na frente brincando, cantando e nos esquecendo atrás.

Durante o caminho alguns adultos que cruzaram conosco me olhavam estranhando o comportamento. Alguns até me repreendiam com o olhar... mas eu apenas sorria de volta. e por essa atitude, a vergonha de ser mais firme com seus filhos que os fazem as vezes nem suportar estar perto de suas criancas. Gritam , esperneiam, batem o pé e voce se pergunta o que você está fazendo de errado e o que fez pra merecer isso... sem parar pra pensar que foi VC mesmo que os criou assim.

Tive vergonha sim, de estar andando feliz ao lado do Morris puxando o trenó. Ele fazendo esforco e eu me contendo a ajudá-lo nas horas dificeis, sem tirar dele a responsabilidade do combinado. Muitas vezes já me perguntei como consigo ser tão fria... tão dura! Mas não me sentia fria, aliás, acabamos nos dando ainda melhor depois dessas politicas meio reversas que eu adoto aqui. Ele é carinhoso e demonstra que me ama o tempo todo. inclusive durante o caminho de hoje.

Com as meninas é mais dificil, elas são mais velhas, e passam menos tempo comigo, minha influencia não dura muito. Com o Morris o ensinamento é mais efetivo, comigo ele sabe os limites e poucas vezes me dá trabalho. Agora pense se no dia seguinte, ele não foi todo feliz conferir se tinha neve suficiente nas calçadas para ver se dava para levar o trenó: "Naná, hoje não tem neve na rua pra levar o trenó".

O que vocês acham? Sou dura? Sem sentimentos? Vocês conseguem ser firmes também, com seus filhos ou com as criancas de que voce cuida? Já passaram alguma situacao de vergonha justamente por estarem tentando dar uma educacao certa pro seu filho???

Beijão!!! Espero as respostas de voces :D

14 comentários:

  1. Axu um visão perfeita de ser mão... e mesmo sendo meio fria e firme a crinça aprende mais e da mais valor as coisas..... isso é um grande passo para ela aprender os verdadeiro valores da vida....
    Quero isso que eu quero para os meus filhos :D

    bjss linda :D

    ResponderExcluir
  2. Oie Nadja!!
    Eu acho q vc esta certissima!!
    Eu faço a msm coisa com meu menino!! Dou as opçoes, ele escolhe e arca com as consequencias!!
    As vezes fico reparando a maneira q ele se comporta com os pais e depois vejo q é totalmente diferente comigo!
    Os pais o mimam d+...e ele consegue td o q quer...jah comigo ele sabe q funciona diferente!! E não tem conversa não...é aquilo e ponto...não vai mudar!!
    Tem q ser firme msm...vc esta certissima!!
    Td de bom pra vc...
    Bjaum^^

    ResponderExcluir
  3. Aqui tambem e a mesma coisa nao dou moleza nao, as vezes me acho malvada rsrsrs
    mais depois vejo que to certa senao eu perco o controle sobre eles.
    O bom aqui e que ninguem mima eles nao, os pais tambem sao firmes aqui, o que ja e um passo e tanto.

    ResponderExcluir
  4. eu acho que vc está sendo dura sim, e certa. eu faço a mesma coisa aqui.. tb tenho um de 3, é uma idade chatinha, eles são grandes mas ainda agem como bebês, tipo se comunicam por forma de choro às vezes.. o meu adora fazer isso. quando eu peço pra ele fazer algo tipo tirar a própria bota de neve ao chegarmos em casa.. eu peço pra ele usar as mãos, ele n o faz, n consegue tirar e começa a chorar.. eu calmamente repito, dou força tipo "vc consegue" e essas coisas, aos poucos ele senta, se acalma e faz.. é cômodo às vezes fazer o mais fácil, mas aí como a criança aprende? eu sou super mole, mas tento n ser e dá certo sim. :)

    bjss

    ResponderExcluir
  5. acho que as criancas tem que ter limites e aos poucos aprender que tudo tem consequencias, que podem ser boas ou ruins. Mas quem sou eu pra falar de educacao? =) nao tenho filhos e nunca realmente convivi com criancas. Sou a mulher com menos instinto maternal do mundo haha mas quem sabe um dia isso muda. bjs!

    ResponderExcluir
  6. dura nada, uma criança tem que aprender desde bebe que toda atitude tem consequencias, que todos tem sua parte de responsabilidade.
    várias amigas aqui tem filhos.... dançam em cima dos pais, mas "incrivelmente" comigo se comportam super bem... uma vez uma me perguntou porque... hehehe aproveitei e disse: eu falo só uma vez e não pra mim é não! Ela não gostou muito na hora, mas ficou pensativa e acabou dizendo dias depois que resolveu ser mais firme.

    ResponderExcluir
  7. Oi!

    Acabei de encontrar seu blog e adorei!
    Vou te seguir, ok?

    Vc é Au Pair na Holanda? Ou viajou para lá? (As fotos estão lidas!!)
    Se sim, por qual agência vc foi? Tá gostando do país?

    Tbm serei Au Pair e estou enbarcando dia 21/03 para Boston.

    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Eh, ir sem agência tem esse problema de não ter muitas regras e...

    Mas que bom que, no geral, vc está feliz aí!

    Adoro qdo vejo Au Pairs que estão se dando bem ai, com a família, aproveitando o ano para fazer coisas legais e viajar!

    Bjão

    ResponderExcluir
  9. oi nadjaaa, po, vim mais pra agradecer seus coments lá no blog.
    brigadão viu, eu ja tinha lido aqui seu ultimo post e acho que vc ta certinha em relação as crianças...
    qndo q vc volta guria? saudade de vc.
    se cuida por ae.
    bjs

    ResponderExcluir
  10. não é questão de ser fria, é questão de impor limites, consequencias as esclhas. vcs fizeram um acordo e ele aceitou e mais nem reclamou, então pode ter certeza que tudo correu como deveria correr.

    ResponderExcluir
  11. Filha, EXCELENTE sua postura ! Sinto inveja, pq acho q não fui firme o suficiente nas minhas decisões. Vc insitia e eu, cansada de dizer não, cedia... Um erro ! Felizmente, vc aprendeu mto bem mesmo c/ meus erros de educação. estou mto feliz por vc e por vê-la assim tão responsável e madura. PARABÉNS ! Bjus, Mamãe

    ResponderExcluir
  12. Oi Nee-chan!! Td bem ai?

    Eu acho q vc está muito certa!!! E mande à merda os adultos q te repreenderam com o olhar! Sim! Aposto que os filhos deles mandam neles pq eles nao tiveram essa firmeza!!
    (to mto Aaya hj XD)

    Ah sim, to relendo fruits basket *.*

    Bjuuuus!

    Ah, eu fiz um blog novo.... o endereço é latigresanerd.blogspot.com!

    ResponderExcluir
  13. Isso é éducar...

    Parabens :)

    ResponderExcluir

Procurando uma esmeralda? Que tal aqui?

Designed By Yasmin Mello | 365 dias