27 de julho de 2010

Terug zijn... estar de volta...

Não consigo acreditar... estou de volta ao Brasil... Acho que não sei explicar o que senti nos últimos dias... as despedidas, as criancas... tudo... minha vida!

Irisje, a menina mais velha, me abracava forte todos os dias, pedindo que voltasse para o próximo aniversário dela, pedindo para nos escrevermos sempre, falarmos pelo microfone e webcam, deitando na minha cama para dormir próxima de mim.

Ambas as meninas perguntavam se eu viria para seus aniversários, se escreveria, se mandaria presentes e meu coracão saindo pela boca a cada resposta. O pequenino ainda perguntava se poderiamos fazer picnic no dia seguinte ( que eu já estaria no Brasil) e quando respondi que estaria de volta ao Brasil, ele perguntou " E na próxima semana?"

Uns três dias antes da partida eu já havia perdido a voz e minhas mãos pareciam permanentemente tremulas. Ainda estava trabalhando, buscando as criancas na escola, saindo com eles e no meio tempo tentando organizar minhas bagagens e tentando ver os amigos uma última vez.
Onze meses de roupas, lembrancas, livros, compras e presentes! Onze meses de peso de uma consumista maravilhada por um país antes desconhecido. 32 kg em cada bagagem a ser despachada... e ainda parecia ser pouco. Tantas coisas que eu queria poder levar e mostrar à familia como meu mundo na Holanda era diferente... como tudo parecia tão diferente e distante no comeco. Queria ver como eles iriam rir, fazer piadas, me perguntar sempre as mesmas coisas. Ao mesmo tempo em que sabia que iria sentir saudades, vivia do sentimento de ansiedade por estar quase de volta.

Estava eufórica, sentia-me como uma crianca pouco antes de sua mae arrancar um band-aid de seu ferimento. sabia que iria sentir saudades, que teria mesmo de voltar e ficava pensando... " vamos logo com isso... estou ficando louca " Ao mesmo tempo queria poder ficar para sempre com a família Nouwens e acabar logo de sentir essa ansiedade que tanto baguncava meu coracao e organismo todo.

Nos dias anteriores à viagem de volta, vi meus amigos mais próximos diversas vezes. Revi amigos com os quais achei que havia perdido contato. Pintei até mesmo um quadrinho com a orientacao de uma profissional muito minha amiga. Até mesmo participei de um talk show indonesio... o que acabou sendo uma das mais divertidas experiencias que tive por lá.

Todos os dias minhas duas meninas me acordavam com um presente, um desenho ou beijinhos... Queriam que eu levasse até mesmo seus mais preciosos bichinhos de pelúcia, aqueles que ganharam de alguém ao nascer! Ganhei fotos delas e as vi chorar também, pensando em como seria depois que eu tivesse retornado ao Brasil.

Como a família tinha compromisso na noite anterior à minha partida, saímos para jantar na quarta-feira, dois dias antes da viagem. Fomos ao beach club Wij , o primeiro lugar em que me levaram quando cheguei na Holanda. A tarde estava lindissima... sol, vento e musica boa. era o anúncio de um veräo promissor... e eu rumando ao inverno brasileiro... já pude notar as meninas tristes... e meus hosts também. Acho que nunca fomos tão sinceros uns com os outros... falamos sobre o comeco dificil, o estresse causado, a confusão de sentimentos, os problemas... como superamos tudo e como aprendemos a nos amar de verdade. E da falta que iríamos fazer na vida do outro.

Não acredito que estou de volta... mesmo depois de tanto tempo já aqui. Abracar minhas criancas na praia... recebi o presente mais lindo possível... um quadro dos meus três juntamente com uma pulseira da marca Buddha to Buddha... Atualmente meu tesouro mais precioso...

Após o encontro na praia, eles me deixaram num barzinho onde seria minha festinha de despedida, juntamente com minha amiga Vanessa, da Espanha. Ela já se encontrava lá, voz esganicada, nervosa, pulando... exatamente como eu estaria passados 30 minutos de minha chegada. Alguns de meus amigos também já estavam por lá, e todos queriam me abracar e dizer o quanto sentiriam minha falta... e o melhor de tudo... eu senti a sinceridade em seus olhos em todos os momentos...

Mais amigos comecaram a chegar... E mais abracos, mais despedidas, promessas, lembrancas... E quase todos compareceram!








Dois dias mais tarde, meu despertador tocou incessante e dolorosamente. Era hora de colocar as malas no carro, dar um último adeus à minha casa holandesa.
As criancas não foram à escola para irem comigo e com seus pais ao aeroporto.Iriam para a escola mais tarde... Um dos grandes mistérios das minhas viagens é como conseguimos sempre colocar 4 malas de 32 kg cada uma, 2 malas de mão de 10 kgs cada e mais 7 pessoas em um carro sem mais problemas...

No aeroporto, uma confusão!!! Filas em todos os cantos, pessoas chorando e se despedindo, malas pelo caminho.E após um confusão, quando tivemos que mandar uma das malas via correio ao Brasil, nos encaminhamos ao portão de embarque.
Lágrimas, despedidas, fotos, abracos... e quando cruzei o portão e posicionei-me na fila para mostrar o passaporte, vi o Morris correndo de encontro a faixa que separava-nos , gritava " Nana. Minha Nadja" e logo vieram suas irmãs e seus pais, todos juntos e chorando e eu chorando tanto que mal os via... e minha mãe também.

A viagem de volta foi longa... não achava uma posicão confortável no avião e segurava a foto das criancas nas mãos o todo tempo, chorando...

Este ano no exterior me rendeu as mais lindas esmeraldas, e as três mais preciosas... s\o espero que não me esquecam...
[Continue reading...]

11 de maio de 2010

Na Suica

Antes de ontem pela manha, cheguei à Suica.

Eu e minha mae ja estavamos planejando essa viagem desde o comeco do ano. Temos amigos aqui na cidade de Herisau, e todos os anos, quando eles vao ao Brasil, nos encontramos e sempre prometemos um dia retribuir a visita. Pois é, chegou o momento. Nosso aviao atrasou uma meia hora, mas como nao tinhamos malas para pegar( estavamos apenas com malas de mao), quando chegamos fomos as duas primeiras a sair. Célia, nossa amiga brasileira de descendencia japonesa, já estava tirando fotos feliz a caminho do nosso encontro. E Chris, seu marido suico, vindo atras quieto e sorrindo, acostumado a ter sempre amigos visitantes no quarto de hospedes em sua casa.

No sabado, ao chegarmos, passeamos por Zurich, tiramos muitas fotos e comemos salsicha num restaurante no centro. Cansados, voltamos para casa. O dia seguinte foi de caminhada... A Celia e o Chris nos levaram a mais alta montanha da regiao onde ela mora, e havia tanta neblina que nao conseguiamos ver o topo ou nem se quer a metade da montanha. O tempo abriu e o sol nos possibilitou pegar o teleferico e subir a montanha para tirar fotos... e que fotos!!! Fotos das montanhas geladas, da neve e das pedras... fotos das nuvens abaixo de nos... fotos das cidades minusculas la embaixo...

Ainda caminhamos por um cidade vizinha e saboreamos um quiche de queijo maravilhoso! E a segunda feira foi de compras!!! Aiaiaiai! Fomos ao shopping local.. e pra que??? Epoca de promocoes fantasticas... com a moda europeia nos saltando aos olhos... mirando nossos bolsos! Ok... um pouquinho animadas demais voltamos para casa cheias de sacolas... roupas para nos mesmas e lembrancinhas do pais para nossos amigos...

Mas no geral... que pais mais caro! Caro para passear, comer, comprar lembrancas!!! Quase nao acreditei. Mas estamos aproveitando bastante
Amanha vamos para Italia conhecer o sul do Tirol... beijaaao ... fotos apos essa secao viagens

A cacadora de esmeraldas!!!
[Continue reading...]

3 de maio de 2010

Efteling

Parque de diversões!!! parque de alegria! Contos de fada com jeitinho europeu... personagens carismáticos e tudo que se tem direito em um parque... de coracão holandes!
Eu ja ouvia falar de Efteling ha algum tempo, mas minha curiosidade estava em um level pequeno... imaginava ser um parque bastante infantil, as criancas sempre falaram muito nos personagens , nas atracoes, nos contos de fadas. E eu ja havia visto livros de historias da Efteling, os brinquedos e sinceramente, achava tudo um pouco estranho. Me parecia um pouco menos carismatico do que a Disney por exemplo.
Estava enganada. Foi o melhor passeio em parque de diversoes que eu ja fiz.

Combinei de encontrar a Vanessa no ponto de onbus as 8 horas da manhã e depois de alguns desencontros, paramos num ponto diferente, esperando por um onibus diferente, que chegou cerca de 40 minutos depois.Estavamos ambas muito animadas, questionando como seria nosso dia... que não haviamos dormido bem na noite anterior e se conseguiriamos encontrar nossas amigas num parque tão grande num dia de domingo.
Chegamos a estacao de trem de Den Haag e pegamos um trem para Tilburg, a cidade em que fica o parque. De lá foi prático, compramos um ticket de ida e volta do diretamente da Efteling e o onibus saiu assim que entramos!

Lindo!Lindo! E mais uma vez Lindo! Desde que avistamos o parque já ficamos maravilhadas... e mesmo sem termos um mapa a mão, conseguimos nos achar bem nos orientando com os mapas espalhados pelo caminho, e não pegavamos quase fila para nada. O dia estava fresco... pela manhã até achamos frio, mas isso não nos impediu de ir a uma daquelas atracoes que voce senta num bote e desce um rio "violento" e pode sair encharcada! Gritamos, pulamos... fugimos da agua gelada do rio... e rimos muuuuito!

Uma das coisas mais engracadinhas que vi foi uma moca de fantasia caminhando sendo seguida por deviersos patos e atras deles um moco, também vestido curiosamente, tocando um instrumento... a foto segue mais adiante...

Caso voces tenham a oportunidade algum dia, vale a pena visitar o parque e conhecer um pouco mais da cultura holandesa e européia.
Quando a Disney veio se instalar na Europa, eles vieram a Efteling para entender como o povo europeu concebe os contos de fada e os aceita. Hoje, na Disney Paris, tem uma estatua homenageando a Efteling :D

Beijos e até a próxima!



Eu e a Vanessa ( Espanha)
A entrada do parque

Olha nós na fila da Montanha Russa!

Aqui voce pode tirar dinheiro...

Um passeio dentro de uma terra de magia...
a terra de Fata Morgana

a moca dos patinhos...


[Continue reading...]

25 de abril de 2010

"Obrigado natureza!"

As vezes acho incrivel o que as criancas lembram e o respeito que demonstram a mim, a algumas coisas que eu ensino.

Esta história é bem curtinha... um mesmo episodeo com as criancas que por duas vezes me chamou a atencao. Como aqui não uso o carro, busco as criancas na escola de bicicleta ou a pé e fazemos o percurso de menos de 10 minutos até em casa. com o tempo mais bonito, os dias mais gostosos, as criancas reclamam menos de não voltarem de carro para casa.
Desde que as flores comecaram a nascer, o curto passeio tem sido mais divertido e um desses dias passaram por umas florzinhas roxas lindissimas... e as criancas se aproximaram felizes das flores.

- Vou pegar uma para mim.- disse Irisje arrancando uma florzinha
- Agora voce tem que agradecer a natureza que te deu essa flor tão bonita!

Sinceramente achei que ela não me escutaria, ou até que ridicularizaria meu pedido, afinal ela tem 9 anos... e nunca ouviu ninguém falar algo parecido em relacão à Terra. para minha surpresa, ela se abaixou perto de onde havia arrancado a florzinha e agradeceu... Acho que consegui apenas sorrir neste momento...

Os dois outros irmãos apenas olhavam, meio curiosos, sem falar nada. E alguns dias depois , percorrendo o mesmo caminho, escuto o menino falar assim atrás de mim : " Obrigada Natureza!". Olhei e ele estava ali, no chão, procurando uma florzinha, que me deu depois... para enfeitar meu cabelo!!! Um verdadeiro amor!!!
Cada dia que escuto isso, vejo em meu caminho uma nova esmeralda!

Beijos e até mais
[Continue reading...]

10 de março de 2010

Um post especial

Este é um post que eu estou há séculos para escrever. É o post das saudades!
Meu guitarrista me perguntou porque eu nunca havia escrito aqui sobre ele? Compartilhado aqui o que sentimos um pelo outro e sinceramente, eu não soube o que responder a ele. A verdade é que falo da vida, dos fatos e tenho um receio de falar sobre sentimentos... porque sentimentos estão sempre mudando, porque nunca estamos parados...

Já faz 10 anos que entramos na vida um do outro. E não estarei mentindo ao dizer que tudo entre nós sempre foi estranho e engracado ao mesmo tempo. Nossa amizade sempre existiu, sempre existiu carinho de um para com o outro, mas após um ano conturbado em que namoramos e desnamoramos diversas vezes quando éramos adolescentes, passamos a conviver pouco, mesmo estudando na mesma escola e no mesmo período.

Seguimos em frente, nos tornando amigos, mas amigos de uma forma diferente. Chegavam a passar meses sem que nos falassemos de verdade, além dos cumprimentos no corredor da escola. E então, algumas poucas vezes por ano, sentavamos no chão do corredor normalmente trabalhando em algum projeto pra feira de comunicacao, e falavamos de tudo das nossas vidas, confiando coisas que talvez não confiariamos a mais ninguém.

E eu nunca imaginei que após quase 10 anos nos encontraríamos dessa forma... novamente. E sinceramente, eu não trocaria por nada, nem nossas brigas... tudo nos levou a ser quem somos agora... a ter a importancia que temos agora um para o outro.
Acho que nesse ponto sé tenho a agradecer... pois está agora em todos os meus sonhos, realizacões e sorrisos! :D
Em voce eu achei uma grande esmeralda... :D
[Continue reading...]

15 de fevereiro de 2010

Não tenho dó! O conto do trenó

Não tenho dó.
Muitas vezes já me perguntei se algum dia vou ser uma boa mãe. E meu trabalho atualmente é um intensivão de maternidade. A maioria das famílias que conheci não tem plano ou regras para criar suas criancas. O pai tem um metodo; a mãe, outro. Aqueles que já assistiram alguma vez o programa " Super Nanny" sabem que iso não funciona... a difusão confusa de sinais vinda dos pais só bagunca a cabeca da crianca, que não irá responder a nenhum dos dois, estressando-os.

E uma au pair na maioria das vezes entra de cabeca numa situacao como essa, criancas já acostumadas a nao ter regras e confrontadas com mais sinais vindo de uma estranha que fala uma lingua totalmente diferente. Se os pais não tem regras fixas e estabilidade, quem é a au pair para tentar introduzí-las na família???

já experienciei de tudo com meus tres holandezinhos. e muitas vezes lembro das regras que tinham ( ou a falta de) na minha família, e penso como fui ser assim tão dura e firme? É até fácil demais mimar uma crianca, é só olhar para aquela carinha de choro, ou aquele pedido gostoso bonitinho que ela faz quando quer algo... voce cede e pronto.
Bom, como voces já imaginam, aqui vem um relato...

Este fim de semana nevou quase que o tempo todo, mas uma nevezinha fina... que mal parava no chão. Toda vez que há bastante neve nas calcadas, quando busco as criancas na escola , levo o trenó comigo e eles voltam sentados comigo puxando. Aqui, eles são tremendamente preguicosos, e são forcados a andar comigo da escola pra casa todos os dias. E todos os dias o Morris vai comigo buscar as meninas já que ele sai bem mais cedo da creche. Hoje, na hora de sairmos ele olhou pela janela feliz e pediu para que fossemos de trenó.
Caminhei até a frente da casa, olhei a calcada a nossa frente e disse a ele que não tinha neve o suficiente e que eu não ía carregar o trenó nas costas o caminho todo. Ele comecou a chorar, dizendo que não queria andar, que queria ir de trenó e não me escutava de jeito nenhum.

Abaixei calmamente e olhando pra ele nos olhos: " Ok, vamos fazer o seguinte. Eu não vou carregar o trenó, estou te dizendo que não tem neve o bastante pra usá-lo, entenda bem, se voce quer o trenó voce vai carregar onde nao tem neve. Se acharmos neve no caminho, voce pode sentar que eu te levo... mas só enquanto há neve!" Ele mal parou pra pensar no acordo e foi logo aceitando... afinal o trenó ía conosco. A primeira quadra tinha neve, e ele foi sentado feliz, vento no rosto, e fomos conversando normalmente. Então... a segunda, a terceira, a quarta... nada de neve... e Morris arrastando e puxando o trenó com todas suas forcas em direcao a escola.
Logicamente, eu estava ali para assistencia-lo e pegar o trenó na hora de atravessar a rua... ou quando estava muito pesado, eu segurava uma ponta e dizia que ía somente ajudá-lo, mas que a responsabilidade de levar o trenó era dele! Ele tinha feito uma decisão e tinha que entender suas consequencias!!!

Imaginem... ele tem só 3 anos! Mas acreditem ou não que ele não brigou comigo em momento nenhum, nem quando ficou bravo com o peso do trenó. A maior parte do caminho, ele puxou o trenó alegre, mesmo nas dificuldades, e íamos conversando. Se entravamos no assunto que o fazia levar o trenó sozinho, ele dizia que tinha escolhido o trenó!
Sinceramente, achei que não nos depararíamos com nenhuma neve no caminho, mas havia um pouco e ele pode se sentar no trenó e ser puxado.

A volta também parecia estar sendo divertida para ele. A irmã se portava como seus pais, aborrecida com a demora para retornar a casa, ela se oferecia a carregar o trenó por ele, se ele carregasse sua mochila ( que eu também não carrego! eles sabem que o que escolhem levar pra escola é responsabilidade deles, pq eles nao necessitam de mais nada a nao ser do lanche). No comeco ela ajudou e eu fiquei só de olho... até que ela queria tomar as redeas e eu disse que não. Ainda aborrecida, ela caminhou na frente brincando, cantando e nos esquecendo atrás.

Durante o caminho alguns adultos que cruzaram conosco me olhavam estranhando o comportamento. Alguns até me repreendiam com o olhar... mas eu apenas sorria de volta. e por essa atitude, a vergonha de ser mais firme com seus filhos que os fazem as vezes nem suportar estar perto de suas criancas. Gritam , esperneiam, batem o pé e voce se pergunta o que você está fazendo de errado e o que fez pra merecer isso... sem parar pra pensar que foi VC mesmo que os criou assim.

Tive vergonha sim, de estar andando feliz ao lado do Morris puxando o trenó. Ele fazendo esforco e eu me contendo a ajudá-lo nas horas dificeis, sem tirar dele a responsabilidade do combinado. Muitas vezes já me perguntei como consigo ser tão fria... tão dura! Mas não me sentia fria, aliás, acabamos nos dando ainda melhor depois dessas politicas meio reversas que eu adoto aqui. Ele é carinhoso e demonstra que me ama o tempo todo. inclusive durante o caminho de hoje.

Com as meninas é mais dificil, elas são mais velhas, e passam menos tempo comigo, minha influencia não dura muito. Com o Morris o ensinamento é mais efetivo, comigo ele sabe os limites e poucas vezes me dá trabalho. Agora pense se no dia seguinte, ele não foi todo feliz conferir se tinha neve suficiente nas calçadas para ver se dava para levar o trenó: "Naná, hoje não tem neve na rua pra levar o trenó".

O que vocês acham? Sou dura? Sem sentimentos? Vocês conseguem ser firmes também, com seus filhos ou com as criancas de que voce cuida? Já passaram alguma situacao de vergonha justamente por estarem tentando dar uma educacao certa pro seu filho???

Beijão!!! Espero as respostas de voces :D
[Continue reading...]

13 de fevereiro de 2010

Fim de semana em Den Haag


Hoje vou postar algumas fotos... preparei uns posts para o futuro, mas estas fotos estão a bastante tempo pedindo para serem compartilhadas com todos voces.
Espero que curtam. Há uns dois fins de semana atrás, fui com minha amiga da Africa do Sul, Lindie, ao centro de Den Haag. estava um dia muito bonito para passear tirar fotos e fazer umas comprinhas. ambas estavamos sem dinheiro, mas olhar as vitrines não machuca ninguém!!!

Conheci a Lindie em janeiro,após ter buscado o Morris na creche e quando estavamos a caminho da Bloemcampschool para buscar as meninas. Já tinhamos nos visto algumas vezes, mas nunca haviamos conversado e naquele dia ficamos ambas surpresas uma ao descobrir que a outra também é au pair. " Achei que voce era holandesa..."

Desde então nos encontramos na escola algumas vezes e saímos para tomar um café uma ou duas vezes por semana. ( nem que o café seja oferecido dentro de casa!!!) e bom ter uma companhia que mora pertinho.

E Den Haag é mesmo uma cidade linda, conseguimos pegar um tempo bom naquele fim de semana... não estava tão frio e o solzinho dava um ar tipicamente turistico à paisagem.







Aproveitando que a neve voltou, que o frio resiste em nos deixar, estou postando umas fotos de janeiro, quando eu estava tentando ensinar a Luna a andar de patins de gelo... e nem eu mesma sei, mas foi divertido e eu pude sentir o progresso dela pela forca com a qual ela se apoiava nas minhas maos, no comeco era tanta forca que chegava a me doer... depois aos poucos ela vai tomando coragem, tentando sozinha.
Também fiz filminhos do Morris patinando sozinho, levando cada tombo!!! Colocarei na proxima, se nao ngm le esse post ate o fim!

Em janeiro fez tanto frio, que os lagos e rios congelaram, então nosso vizinho teve a ideia de encher o qui9ntal de agua, demarcada por madeiras formando um retangulo e em poucas horas tinhamos um rinque de patinacao para as criancas!!! Funcionou direitinho!!!




Olha o Morris de pano de fundo...
[Continue reading...]

10 de janeiro de 2010

Gelukkig Nieuwjaar

GELUKKIG NIEUWJAAR a todos vocês!!!

Quero desejar a todos que acompanham o meu blog um 2010 maravilhoso! Primeiramente quero lhes dizer que sim, a Austria é mais fria que a Holanda... mas o ano em que passei o inverno na Austria, foi particularmente o mais quente inverno que eles tiveram em muitos anos. Naquela virada de ano, durante um inverno de 3 meses que fiquei por lá nevou apenas 2 vezes. E a temperatura média naquele inverno ficou entre 3 e 4 graus positivos.

Minha virada de ano foi bastante diferente do que estou acostumada, mas muito bonita. Passei com uns amigos, a caminho da casa de outros amigos e tudo parecia atrapalhado. meia hora antes da virada, corremos para a casa de um amigo nosso onde dizia-se que teria uma reunião de amigos para celebrar o ano novo. Na rua, criancas e adultos soltavam fogos de artificio por todos os lados. Era uma mistura de cores e sons.

5 para a meia noite chegamos todos a casa do karsten, nosso amigo, e descobrimos que não haveira encontro nenhum para celebrar o ano novo! Demos meia volta e 2010 chegou... escutamos comemoracoes nas casas ao nosso redor... estavamos no meio da rua a caminho da estacao de trem, que torciamos para estar funcionando para que pudessemos ir para uma outra festa. Chegando à estacao, os trens estavam suspensos. Eu havia levantado essa hipótese, mas meus amigos holandeses ( que raramente andam de trem) disseram : " Imagiiiiina!!!" Pois bem... ficamos parados olhando para um letreiro eletronico que nos avisava " fora de funcionamento"

mesmo assim decidi subir até a plataforma. Meus amigos me olharam meio confusos e me seguiram. E o que vivenciamos foi uma das coisas mais bonitas e inesperadas para aquele momento que parecia ter-nos sido frustrado... A nossa volta pudemos ver centenas de fogos caseiros, explodindo em todos os cantos... fazendo um circulo ao redor de nós. A estacao era um pouco elevada em relacao ao chao e localizada bem ao centro do bairro, pudemos ver tudo a nossa volta. simplesmente lindo...

E o que parecia um comeco de ano perdido... tornou-se esperanca. E mesmo estando nós sozinhos em um numero reduzido de amigos, sentimos que 2010 tem muito a nos mostrar...

beijos e feliz 2010
[Continue reading...]
Designed By Yasmin Mello | 365 dias